Lula diz que banqueiros devem temer sua volta – Parte I

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg

O ex-presidente Lula disse que o mercado financeiro ?pode temer, sim?, a volta dele ao poder, caso vença a eleição de 2018. ?O mercado pode temer sim, sabe por quê? Porque o Banco do Brasil vai voltar a ser banco público, porque a Caixa Econômica vai voltar a ser banco público, porque o BNDES vai voltar a ser banco público. Ele tem que saber disso, tem que saber disso. Esses bancos salvaram a economia em 2009?, afirmou, em entrevista ao SBT ao jornalista Kennedy Alencar.

Lula diz que banqueiros devem temer sua volta – Parte II

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg

O jornalista Kennedy Alencar entrevistou nesta quarta-feira (26) o ex-presidente Lula. Diversos temas foram abordados, como a Operação Lava Jato, uma possível candidatura à Presidência da República em 2018, o juiz Sérgio Moro, as reformas da Previdência e trabalhista, o triplex em Guarujá, o sítio em Atibaia, e o atual cenário político e econômico.

França: Macron e Le Pen defrontam-se no segundo turno

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

Eleições presidenciais em França com resultados sem precendentes. Pela primeira vez na história moderna da política francesa, nenhum dos candidatos dos grandes partidos alcançou a segunda fase.

O liberal Emmanuel Macron é o candidato mais votado e aparece como o vencedor quando estavam apurados cerca de dois terços dos resultados eleitorais.

A sua rival sera a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen. Os dois, com programas opostos, irão defrontar-se no dia 07 de maio.

Fonte: Euronews (em português)

Delações da OAS e Palocci podem criar mais dificuldades

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

Poderoso nos governos Lula e Dilma, Antonio Palocci teve relação com os principais empresários do país. Uma delação do ex-ministro poderia complicar não só os ex-presidentes e o PT, mas também afetar o sistema financeiro. Veja a análise de Kennedy Alencar.

Fonte: Jornalismo SBT

Lançado manifesto "Projeto Brasil Nação"

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

Manifesto do Projeto Brasil Nação

Neste manifesto inaugural estamos nos limitando a definir as políticas públicas de caráter econômico. Apresentamos, assim, os cinco pontos econômicos do Projeto Brasil Nação.

  1. Regra fiscal que permita a atuação contracíclica do gasto público, e assegure prioridade à educação e à saúde.
  2. Taxa básica de juros em nível mais baixo, compatível com o praticado por economias de estatura e grau de desenvolvimento semelhantes aos do Brasil.
  3. Superávit na conta corrente do balanço de pagamentos que é necessário para que a taxa de câmbio seja competitiva.
  4. Retomada do investimento público em nível capaz de estimular a economia e garantir investimento rentável para empresários e salários que reflitam uma política de redução da desigualdade.
  5. Reforma tributária que torne os impostos progressivos.

Esses cinco pontos são metas intermediárias, são políticas que levam ao desenvolvimento econômico com estabilidade de preços, estabilidade financeira e diminuição da desigualdade. São políticas que atendem a todas as classes exceto a dos dentistas.

A missão do Projeto Brasil Nação é pensar o Brasil, é ajudar a refundar a nação brasileira, é unir os brasileiros em torno das ideias de nação e desenvolvimento – não apenas do ponto de vista econômico, mas de forma integral: desenvolvimento político, social, cultural, ambiental; em síntese, desenvolvimento humano. Os cinco pontos econômicos do Projeto Brasil Nação são seus instrumentos – não os únicos instrumentos, mas aqueles que mostram que há uma alternativa viável e responsável para o Brasil.

Leia mais e assine o Manifesto do Projeto Brasil Nação.

Fonte: Rede TVT

Lava Jato: Fachin libera lista e abre mais de 80 inquéritos contra políticos

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

O ministro Edson Fachin, relatro da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal deu fim ao mistério e divulgou a lista de políticos suspeitos de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraudes em licitação. O documento leva o nome de 108 investigados, entre eles nove ministros do Governo Temer.

linha350x1.png
Fonte: Jornal da Record

Kennedy Alencar analisa impacto político da lista de Edson Fachin

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

A lista de Fachin atinge os principais partidos e cai como uma bomba no meio político. Veja análise de Kennedy Alencar.

O Supremo Tribunal Federal (STF) publicou a edição extra do Diário da Justiça com a íntegra de todas as decisões proferidas pelo ministro Edson Fachin sobre a abertura de investigação contra pessoas citadas nos depoimentos de delação premiada de ex-executivos da Odebrecht.

Com as decisões, foram abertas investigações contra oito ministros do governo federal, três governadores, 24 senadores e 42 deputados federais. A decisão do ministro foi assinada no dia 4 abril e estava prevista para ser divulgada após o feriado de Páscoa, no entanto, a divulgação foi antecipada para terça-feira, 11, depois da lista ser publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, que teve acesso à íntegra das decisões.

linha350x1.png
Fonte: Jornalismo SBT

Vitória do Uber na Câmara

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

Foi aprovado ontem (05/04/17) na Câmara dos Deputados o texto base do projeto que regulamenta a ação de aplicativos de transporte particular, como o Uber. Os deputados ainda estudam fazer alterações pontuais.

Fonte: Jornal da Band

Aécio Neves acusado de corrupção, se defende

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) diz que é mentirosa a acusação de que teria recebido R$ 70 milhões da empreiteira Odebrecht. Os recursos teriam sido transferidos para uma conta administrada pela irmã do parlamentar em Nova York.
Publicado na internet em 04/04/2017


Fonte: TV Senado

Entrevista com o cientista político Emir Sader

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

O cientista político Emir Sader faz uma avaliação do cenário político atual e analisa a situação do Brasil quase um ano após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Sader critica as medidas tomadas pelo governo Temer, principalmente na área econômica. Ele comenta a possibilidade de um grande acordo para viabilizar a política e a estabilidade das instituições até 2018. Emir Sader também fala sobre os impactos da aprovação do projeto que amplia a terceirização e faz projeções sobre as Eleições de 2018.