Cientistas de países em conflito se unem contra o câncer

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O conflito entre Israel e Líbano não impediu o trabalho conjunto entre Maria Soloveychik e Charly Chahwan. A microbióloga e o geneticista molecular fundaram em São Francisco uma empresa que desenvolve medicamentos para tratar tipos de câncer agressivos, como o de fígado.

Fonte: DW Brasil

Anúncios

Recuperação parcial da memória

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Eles identificaram que um tipo de célula no cérebro pode diminuir a produção de uma substância essencial na comunicação entre os neurônios.

Fonte: Jornal da Band

Nova técnica de reconstrução óssea usa células-tronco

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Pesquisadores americanos desenvolveram uma técnica de reconstrução óssea que poderá substituir o uso de próteses e enxertos em caso de fraturas.

Fonte: Jornal da Band

Descoberta substância que pode bronzear sem sol

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Uma pesquisa desenvolvida por cientistas nos Estados Unidos, revelou uma substância capaz de bronzear sem expor a pele aos raios ultravioletas, reduzindo assim o risco do desenvolvimento de câncer de pele.

Fonte: Jornal da Band

Anvisa aprova medicamento para insuficiência cardíaca

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou a venda de um medicamento com resultados importantes no tratamento da insuficiência cardíaca, que atinge quase três milhões de brasileiros.

Fonte: Jornalismo SBT

Novo tratamento para a esclerose múltipla

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Atualmente, todos os pacientes com esclerose múltipla recebem da rede pública os mesmos remédios, mas médicos brasileiros querem mudar esse quadro. Segundo os profissionais, há diferentes níveis da doença e cada um requer um tratamento específico. A esclerose é uma doença autoimune que afeta o sistema nervoso central.

Fonte: Jornal da Record

Novidades no tratamento do diabetes tipo 1

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O transplante de células do pâncreas de um doador para o fígado do paciente faz com que o organismo volte a produzir insulina, o que dispensa o uso de injeções por até cinco anos.

Fonte: Jornal da Band