Infartos são mais perigosos em mulheres

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O infarto é uma das causas de morte mais comuns no mundo, e atinge milhões de brasileiros. Causado pelo entupimento de veias do coração, esses acidentes são mais frequentes em homens. Só que, segundo cardiologistas, as mulheres têm duas vezes mais riscos de morte.

Fonte: Band Amazonas

Anúncios

Clima em mudança amplia desigualdade para mulheres rurais

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
As mulheres rurais representam mais de um quarto da população mundial, enquanto as mulheres representam 43% da força de trabalho agrícola em todo o mundo e nos países em desenvolvimento, lembrou a ONU Mulheres marcando neste domingo (15/10) o Dia Internacional das Mulheres Rurais.

Fonte: ONU Brasil

Malala defende liberdade para mulheres

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Eu sempre quis ter uma educação de qualidade, ir para uma boa universidade. Aos 20 anos, Malala Yousafzai está para ter seu sonho realizado. Em breve, a ativista dará início aos estudos em Oxford. A entrada no ensino superior é mais uma vitória na história da paquistanesa, vítima de um atentado orquestrado por terroristas que não concordavam que ela e outras meninas frequentassem a escola. Em 2012, Malala levou um tiro na cabeça.

Fonte: ONU Brasil

Boa parte da produção rural é plantada por mulheres

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
As mulheres também estão no comando de cargos gerenciais no agronegócio. Quase metade da produção rural familiar no Brasil passa na mão das mulheres.

Fonte: Jornal da Band

Projeto para mulheres no setor de Tecnologia da Informação

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Ainda há muito poucas mulheres na área de informática, um mercado com grande demanda por profissionais. A equipe da DW (Espanhol) visitou o Reprograma, iniciativa que busca reduzir a desigualdade de gênero no setor.

Fonte: DW Brasil

Mulheres na ciência

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Esta edição do Sala de Convidados fala sobre mulheres na ciência. Em um cenário em que as desigualdades de gênero ainda são enormes, na esmagadora maioria dos setores as mulheres ganham menos do que os homens, e que, apesar dos avanços, ainda há muito a caminhar na luta por igualdade, uma boa notícia chamou a atenção em 2017. Houve um significativo crescimento na participação das mulheres na produção científica no Brasil e a metade da ciência no país já é produzida por elas. Segundo o relatório Gender in the global research landscape (Gênero no cenário global de pesquisa, em tradução livre), a proporção de mulheres que publicam artigos científicos cresceu 11% e elas são responsáveis por 49% dos artigos publicados. O relatório apontou ainda que o Brasil é quarto país no mundo na produção de ciência por mulheres.

Fonte: Canal Saúde Oficial

Aumenta número de mulheres nas áreas de ciência e tecnologia

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
As mulheres estão cada vez mais construindo carreiras em áreas antes dominadas pelos homens. Elas já são a maioria entre os profissionais que trabalham nas áreas de ciência e tecnologia no Brasil. O problema é que, apesar do avanço, a discriminação persiste: as mulheres continuam ganhando menos que os homens.

Fonte: Rede TVT