13,5 milhões de brasileiros continuam sem trabalho

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam queda do desemprego no segundo trimestre e aumento do mercado informal.

Fonte: Jornal da Band

Anúncios

Menor inflação em 12 meses não é motivo para comemorar

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O governo Michel Temer comemorou que a inflação acumulada nos últimos 12 meses ficou abaixo da meta definida pelo Banco Central, de 4,5% ao ano. Mas economistas alertam que, na verdade, a inflação caiu por motivos ruins. Entre eles, o desemprego e a queda no poder de compra dos trabalhadores.

Fonte: Rede TVT

Medo de ficar desempregado cresce entre os brasileiros

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que o medo de ficar desempregado vem crescendo desde 2014. Em julho, o índice chegou a 66 pontos em uma escala de 0 a 100, um dos maiores da história. Em paralelo, o mesmo estudo mostrou que o nível de satisfação com a vida está entre os mais baixos.

Fonte: Jornalismo SBT

Brasileiros recorrem à confeitaria para driblar o desemprego

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Com o aumento do desemprego, cresceu também a procura por cursos de panificação e confeitaria. Os alunos buscam a capacitação profissional para vender um produto caseiro, de melhor qualidade. O setor representa 2% do PIB do País.

Fonte: Jornal da Record

Taxa de desemprego tem primeiro recuo desde 2014

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O número de brasileiros que ingressaram no mercado de trabalho aumentou, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no terceiro resultado positivo seguido.

Fonte: Jornal da Band

Por que o desemprego continua alto

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Você certamente já ouviu falar que o pior da crise já passou e que estamos nos recuperando, mesmo que lentamente. Mas por que o desemprego ainda continua alto? Veja a avaliação do economista-chefe da Gradual Investimentos André Perfeito, no vídeo de finanças pessoais de hoje.

Fonte: EXAME.com

O jovem e o desemprego

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
JC Debate discute hoje as dificuldades do jovem no mercado de trabalho. Dos 14 milhões e 200 mil desempregados do Brasil, 70% têm entre 18 e 39 anos, de acordo com a Carta de Conjuntura publicada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. A taxa de desempregados é de 13,8%, mas na faixa etária de 14 a 24 anos é de 31,2%.

Fonte: TV Cultura

Crescimento da economia Informal

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Nos primeiros meses de 2017, a taxa de desemprego atingiu um novo recorde. Isso significa que o Brasil tem hoje 14 milhões de desempregados. E de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), esse número continuará crescendo no ano que vem. Diante desse cenário, é preciso procurar outras fontes de renda. Assim, o mercado informal tem sido a principal alternativa para quem já não tem mais a carteira assinada, e também para aquele que desejam empreender ou que precisam aumentar a renda familiar.

Fonte: PUC TV Minas

Índice de desemprego tem leve melhora

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
De acordo com o IBGE, o último levantamento informa 13,8 milhões de desempregados no Brasil, índice de 13,3%. Verifica-se uma leve melhora em relação ao último índice (13,6%), mas ainda é bem superior ao mesmo período do ano anterior (11,2%). De acordo com especialistas, a retomada é a longo prazo, sendo que, por enquanto, a geração maior é de empregos sem carteira assinada.

Fonte: Jornal da Record

Desemprego entre homens aumenta e se iguala ao das mulheres

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Um estudo feito pelo Ipea, Instituo de Pesquisa Econômica Aplicada, mostrou que o desemprego entre os homens, que sempre foi menor, aumentou nos últimos cinco anos e se igualou ao das mulheres. De acordo com a pesquisa, a tendência se intensificou nos três primeiros meses de 2017, quando 2,7% dos homens perderam o emprego.

Fonte: Jornal da Record

Inflação baixa, desemprego alto e crise

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
No acumulado de 12 meses até maio passado, o IPCA, que meda a inflação oficial do país, foi de 3,60%. É a taxa mais baixa desde maio de 2007. Mas nem sempre queda da inflação tem significado positivo. Fausto Augusto Júnior, professor da Escola Dieese de Ciência do Trabalho, analisa os dados.

Fonte: Rede TVT

Desemprego: dicas para mudar de carreira

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Já são mais de 14 milhões de brasileiros desempregados, o pior cenário desde o início da série histórica do IBGE em 2012. Enquanto muita gente fica sem saber como reagir diante de uma demissão, há quem aproveite a oportunidade para mudar de carreira. O Record News Paulista recebe Paula Azoni, consultora de carreiras, para falar sobre o assunto.

Fonte: Record News

Desemprego atinge 14 milhões de brasileiros em abril

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
De acordo com um levantamento do Instituto Brasileiro Geografia e Estatística (IBGE), no último trimestre, mais de um milhão de brasileiros passaram a procurar emprego. Ao todo, são 14 milhões de desempregados. E de todas as áreas, apenas a indústria e os setores de alimentação e hotelaria tiveram mais contratações do que demissões.

Fonte: Jornal da Record

O colapso dos estaleiros

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Na cidade de Rio Grande, no Estado do Rio Grande do Sul, um estaleiro está fechado e outros dois com projetos em fase final de construção, sem novas encomendas.

Fonte: Estadão

Dois milhões de desempregados entre 2015 e 2016

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Pelo menos dois milhões de brasileiros ficaram desempregados entre 2015 e 2016. Só em abril deste ano que o Ministério da Trabalho anunciou um crescimento nas contratações. O problema é que a boa notícia do emprego ainda não chegou para a maioria, e a gente explica por que isto está acontecendo.

Fonte: TV Aparecida

Três áreas que a retomada do emprego poderá ser mais rápida

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Carlos Guilherme Nosé, CEO do Fesap Group, fala quais as áreas em que a retomada do emprego será mais rápida neste ano de 2017. Confira quais são e por que.

Fonte: EXAME.com

Jovens são os mais procurados no mercado de trabalho

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Segundo um estudo da Confederação Nacional do Comércio (CNC) baseado em dados oficiais, os jovens estão se dando melhor na busca por emprego, se comparado a outras faixas de idade. Apesar da falta de experiência, foram mais de 175 mil vagas abertas para esse público. Principalmente em setores exportadores do agronegócio e da indústria. Para os brasileiros entre 50 e 64 anos, o mercado de trabalho foi o que mais encolheu neste ano. Em torno de 92 mil vagas foram fechadas. A previsão dos economistas é de melhora a médio prazo.

Fonte: Jornal da Record

Brasil bate triste recorde histórico: 14 milhões de desempregados

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
De acordo com os dados do IBGE, o desemprego bateu recorde nos três primeiros meses de 2017. Agora são mais de 14 milhões de pessoas sem trabalho. O comércio e o setor público tiveram os piores resultados. A mesma pesquisa mostra, também, que o número de trabalhadores com carteira assinada caiu 3,5% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Fonte: Jornal da Record

Mais de 14 milhões de desempregados

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
De acordo com o IBGE, a quantidade de pessoas com carteira assinada é a menor já vista no país. Na comparação com o primeiro trimestre de 2016, o recuo atingiu mais de um milhão de trabalhadores formais. Desde 2014, o Brasil perdeu cerca de três milhões de postos de trabalho com carteira assinada.

Fonte: SBT Brasil

Reforma Trabalhista promete diminuir desemprego

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
De acordo com especialistas, as mudanças nas leis trabalhistas podem ajudar a diminuir o desemprego. Não haverá mudanças em direitos fundamentais como FGTS, 13º salário e seguro desemprego. Mas, as férias poderão ser divididas em até três partes, as jornadas de trabalho passam a ser de 12 horas e a terceirização se estende para todas os setores da economia.

Fonte: Jornal da Record

Campo Grande fecha um posto de trabalho a cada duas horas

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

O Estado de Mato Grosso do Sul despontou na geração de empregos no mês de março, ficando em terceiro lugar no Brasil. E Três Lagoas é a cidade que mais contratou: quase 10 admissões por dia.

Fonte: SBT MS

Fim da desoneração da folha pode causar desemprego

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

O fim do alívio nas folhas de pagamento – a chamada desoneração – deve causar desemprego nos setores que vão perder o benefício. Um dos mais prejudicados é o de telesserviços, que tem 440 mil trabalhadores no país.

Fonte: Jornal da Band

Com aumento do desemprego, famílias consomem menos

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

Na última semana, o IBGE mostrou que desemprego atinge cerca de treze milhões e meio de brasileiros. Uma das consequências é a piora na renda, e as famílias passam a consumir menos. Um dos setores mais afetados por essa crise é o de serviços ao consumidor que responde por 70% da economia

Reportagem de Elaine Santos e Messias Junqueira
linha350x1.png

Fonte: TV Canção Nova

Brasil tem quase 14 milhões de desempregados

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

A crise econômica está refletindo diretamente na vida dos brasileiros. O desemprego bateu novo recorde: já são quase 14 milhões de pessoas que desejam trabalhar, mas não encontram oportunidades. Brasília é o lugar com o maior número de desempregados. Reportagem de Elisa Ventura e Bartolomeu Silva.