Impactos sociais e econômicos do vírus Zika

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Extensão do território, condições sociais e sanitárias precárias de grande parte da população fazem do Brasil o local mais potencial para infecção nas Américas.

Fonte: Canal Futura

Anúncios

Epidemia do vírus Zika custou ao Brasil US$ 5 bilhões

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Segundo relatório do Ministério da Saúde e da Organização das Nações Unidas (ONU), cada pessoa com microcefalia necessitará de US$ 890 mil ao longo da vida, o estudo ainda aponta que a epidemia do vírus da Zika custou quase US$ 5 bilhões ao Brasil nos últimos dois anos.

Fonte: TV NBR

Bioinseticida

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O Momento Ambiental aborda uma questão preocupante que afeta nossa saúde: o controle do mosquito aedes aegypti no país. Uma pesquisadora da Embrapa em parceria com instituições privadas desenvolveu um método eficaz e sustentável para eliminar o mosquito. É o bioinseticida, um produto feito à base de uma bactéria que produz toxinas que afeta o organismo da larva. Bastam algumas gotas do produto para o inseto não se desenvolver e propagar a doença.

Fonte: Momento Ambiental

Sintomas da febre Chikungunya podem durar anos

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O surto de febre Chikungunya perdeu força em boa parte do Brasil, mas o vírus ainda avança na região Nordeste.

Fonte: Jornal da Band

A erradicação do Aedes aegypti

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Esta edição do Ciência & Letras fala sobre o livro A erradicação do Aedes aegypti: febre amarela, Fred Soper e saúde pública nas Américas (1918-1968). Com a volta do mosquito Aedes aegypti e das doenças por ele transmitidas, foram promovidas novas campanhas de combate ao vetor. E nesse intuito, um estudo sobre a Campanha Continental para a Erradicação da Febre Amarela, em 1918, deu origem ao livro abordado nesta edição. A análise do trabalho realizado no passado auxilia a conduta atual para o enfrentamento das epidemias.

Fonte: Canal Saúde Oficial

Vacina contra a dengue está sendo testada

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Crianças e adolescentes já podem receber a vacina contra dengue que está sendo testada em seres humanos. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é responsável pela coordenadoria local dos testes da vacina, desenvolvida pelo Instituto Butantan. A aplicação deve continuar até março de 2018 no Centro de Saúde do Jardim Montanhês e está liberada para a população em geral, na faixa etária de 2 a 59 anos. É preciso fazer agendamento prévio pelos telefones (31) 2520-4008 e (31) 2520-3640.

Fonte: TV UFMG

Infectologista fala sobre avanço da febre amarela no Brasil

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Meses após o início do surto de febre amarela no Brasil, a doença pode estar perto de voltar a ser transmitidas em centros urbanos após 75 anos. O alerta é do Instituto Oswaldo Cruz que liderou um estudo sobre o tema.

Fonte: TV Câmara São Paulo