Impactos sociais e econômicos do vírus Zika

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Extensão do território, condições sociais e sanitárias precárias de grande parte da população fazem do Brasil o local mais potencial para infecção nas Américas.

Fonte: Canal Futura

Anúncios

Epidemia do vírus Zika custou ao Brasil US$ 5 bilhões

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Segundo relatório do Ministério da Saúde e da Organização das Nações Unidas (ONU), cada pessoa com microcefalia necessitará de US$ 890 mil ao longo da vida, o estudo ainda aponta que a epidemia do vírus da Zika custou quase US$ 5 bilhões ao Brasil nos últimos dois anos.

Fonte: TV NBR

Bioinseticida

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O Momento Ambiental aborda uma questão preocupante que afeta nossa saúde: o controle do mosquito aedes aegypti no país. Uma pesquisadora da Embrapa em parceria com instituições privadas desenvolveu um método eficaz e sustentável para eliminar o mosquito. É o bioinseticida, um produto feito à base de uma bactéria que produz toxinas que afeta o organismo da larva. Bastam algumas gotas do produto para o inseto não se desenvolver e propagar a doença.

Fonte: Momento Ambiental

Sintomas da febre Chikungunya podem durar anos

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
O surto de febre Chikungunya perdeu força em boa parte do Brasil, mas o vírus ainda avança na região Nordeste.

Fonte: Jornal da Band

A erradicação do Aedes aegypti

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Esta edição do Ciência & Letras fala sobre o livro A erradicação do Aedes aegypti: febre amarela, Fred Soper e saúde pública nas Américas (1918-1968). Com a volta do mosquito Aedes aegypti e das doenças por ele transmitidas, foram promovidas novas campanhas de combate ao vetor. E nesse intuito, um estudo sobre a Campanha Continental para a Erradicação da Febre Amarela, em 1918, deu origem ao livro abordado nesta edição. A análise do trabalho realizado no passado auxilia a conduta atual para o enfrentamento das epidemias.

Fonte: Canal Saúde Oficial

Vacina contra a dengue está sendo testada

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Crianças e adolescentes já podem receber a vacina contra dengue que está sendo testada em seres humanos. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é responsável pela coordenadoria local dos testes da vacina, desenvolvida pelo Instituto Butantan. A aplicação deve continuar até março de 2018 no Centro de Saúde do Jardim Montanhês e está liberada para a população em geral, na faixa etária de 2 a 59 anos. É preciso fazer agendamento prévio pelos telefones (31) 2520-4008 e (31) 2520-3640.

Fonte: TV UFMG

Infectologista fala sobre avanço da febre amarela no Brasil

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Meses após o início do surto de febre amarela no Brasil, a doença pode estar perto de voltar a ser transmitidas em centros urbanos após 75 anos. O alerta é do Instituto Oswaldo Cruz que liderou um estudo sobre o tema.

Fonte: TV Câmara São Paulo

Aedes aegypti pode levar febre amarela às cidades

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
A febre amarela, transmitida desde a década de 1940 somente por mosquitos silvestres, pode voltar para os centros urbanos levada pelo Aedes aegypti.

Fonte: Jornal da Band

Combate ao mosquito da dengue é mais eficaz no inverno

Clique na imagem para ver o vídeo
0.jpg
Geralmente, as ações do controle do Aedes Aegypti, mosquito transmissor de dengue, chikungunya e zika, são intensificadas no verão, período em que o inseto se multiplica com mais facilidade. Entretanto, especialistas garantem que o melhor momento para combater o mosquito é agora, no frio. A explicação está no metabolismo do Aedes. No inverno, a resistência dele cai.

Fonte: Jornal da Record

Fungos da Amazônia no combate ao aedes aegypti

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

Pesquisadores da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) descobrem fungos que auxiliam no combate ao mosquito Aedes Aegypti.