Além de caixa dois, Odebrecht também pagava pela aprovação de medidas

Clique na imagem para ver este vídeo
0.jpg

As delações premiadas revelam que a Odebrecht também pagava pela aprovação de medidas. Em 2008, para evitar que a Braskem quebrasse, o Marcelo Odebrecht fez um acordo com Guido Mantega, então ministro da Fazenda. Dessa forma, o ex-presidente Lula teria de fazer uma medida provisória que permitisse o parcelamento de uma dívida da empresa. Em troca, Marcelo pagou R$ 50 milhões à campanha de Dilma Rousseff.

Fonte: Jornal da Record

Anúncios