Rola-bosta africano: um aliado no controle da mosca-dos-chifres

A espécie Haematobia irritans, conhecida como mosca-dos-chifres, é uma pequena mosca hematófaga (se alimenta de sangue) que ataca quase exclusivamente o gado bovino, sendo considerada uma das principais pragas da bovinocultura brasileira. Ela provoca estresse nos animais, uma vez que suas picadas são doloridas e ocorrem de forma freqüente, sendo que um macho desta mosca pode picar até 24 vezes por dia e a fêmea pode picar até 38 vezes por dia. Esses fatores geram impactos negativos na produtividade do rebanho, resultando no comprometendo da produção de carne, leite e couro, ocasionando, por exemplo, perdas de até 40 kg de peso em um ano e diminuição da produtividade de leite em até 15% em um ano.

Esta mosca se localiza na quase totalidade do corpo do animal, mas possui preferência pelas pernas, barriga e dorso.

O controle da mosca-dos-chifres pode ser químico, com o uso de inseticidas, e biológico, que se dá principalmente com a utilização de besouros coprófagos (que se alimentam de fezes), conhecidos vulgarmente como rola-bosta.

Dentre os besouros coprófagos encontrados em nosso país destaca-se Digionthophagus gazella, utilizado em diversas partes do mundo em programas de controle biológico. Este besouro foi importado da África para o Brasil em 1989 pelo Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Corte (CNPGC) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com o objetivo de promover o controle biológico da mosca-dos-chifres.

O rola-bosta africano é um besouro possuindo um pouca mais de 1 cm de comprimento e que se alimenta durante toda a sua vida das fezes frescas dos bovinos. Além de servir para alimentação, as fezes de bovinos também são utilizadas para reprodução, através da formação de pelotas de fezes. Por isso que este besouro é denominado de rola bosta.

Uma das principais vantagens de se utilizar o rola bosta africano é que ele promove o enterrio das fezes frescas no solo, eliminando assim larvas da mosca-dos-chifres, ajudando assim o controle desta mosca, uma vez que estas necessitam de fezes frescas de bovinos para realizar a postura de seus ovos. Estudos demonstraram que o uso do rola bosta africano em propriedades de bovinos podem reduzir em até 40% a infestação de moscas nas propriedades.

Outra vantagem do uso do besouro rola bosta africano é que este limitaria o uso de inseticidas para o controle da mosca-dos-chifres, ocasionando assim menores gastos para o produtor, além de promover menores danos ambientais com o uso excessivo de compostos químicos.

O besouro é também um importante agente de recuperação das pastagens (adubação orgânica), auxiliando na rebrota do capim, aumentando a capacidade de suporte das pastagens (reduz a área de rejeição de pastejo), fazendo a aeração do solo e proporcionando economia significativa ao produtor.

Apesar do uso do besouro rola bosta africano trazer vantagens para o produtor rural, ele sozinho não poderá resolver o problema da mosca-dos-chifres na propriedade. Para isso deve-se também realizar o uso racional e criterioso de inseticidas, utilizando-os principalmente nas épocas secas do ano, evitando assim o aumento da população de moscas na época das águas.

A partir do conhecimento dos benefícios que o rola bosta africano trás tanto para os produtores quanto para o meio ambiente, podemos considerá-lo como um aliado no controle da mosca-dos-chifres.

AUTORIA

Flávio Barros Sant´Anna, D.Sc.
Pesquisador Embrapa Cerrados
E-mail: flavio.barros@cpac.embrapa.br

Anúncios