Colheita mecanizada da pimenta longa: uma alternativa viável

Autoria:

Ivandir Soares Campos
Pesquisador da Embrapa Acre

Contato:

Ivandir Soares Campos

EMail:

ivandir@cpafac.embrapa.br

DDD e Telefone(s):

(68) 3212-3200

Palavras-Chave:

pimenta longa acre colheita mecanizada

Resumo:

A pimenta longa, apesar de sua potencialidade como fonte geradora de emprego e renda para o pequeno produtor rural acreano que, se organizado, pode produzir, processar e comercializar diretamente o seu óleo, não correspondeu às expectativas.

Corpo:

A pimenta longa, apesar de sua potencialidade como fonte geradora de emprego e renda para o pequeno produtor rural acreano que, se organizado, pode produzir, processar e comercializar diretamente o seu óleo, não correspondeu às expectativas.

Infelizmente, quando do lançamento dessa cultura vários erros foram cometidos, apesar das orientações enfatizadas nas palestras proferidas pelos técnicos e apresentadas nas diversas publicações da Embrapa Acre. No afã de oferecer uma alternativa de renda para o pequeno produtor, rapidamente foram providenciados financiamentos, produtores foram selecionados, lavouras foram plantadas, sem, no entanto, considerar as dificuldades de acesso às áreas dos produtores selecionados, a aquisição e instalação das usinas de acordo com a orientação de uma usina para cada grupo de 15 produtores e a época para produção das mudas e implantação da lavoura.

O resultado não poderia ser outro, senão o insucesso da proposta, prejuízo para muitos produtores e culpa para os técnicos e instituições, mesmo com todo esforço para instalar usinas e alocar equipamentos sem custo aos produtores.

Não pretendemos apontar culpados, nem desculpas pelo fracasso de um trabalho que temos convicção de ter sido feito com seriedade, como o fizeram outras instituições e alguns produtores. Apenas insistimos no trabalho, para que a pimenta longa venha a ser uma fonte de renda aos produtores rurais que, de forma organizada e séria, possam seguir corretamente as recomendações para o bom desenvolvimento dessa lavoura.

O trabalho com a pimenta longa, no momento, enfoca dois pontos considerados fundamentais para o sucesso do cultivo: o plantio direto com sementes peletizadas e a colheita mecanizada. O primeiro ainda está sendo pesquisado, com apoio da Agritech (divisão de serviços da Agristar ? empresa sediada em Petrópolis/RJ, que desenvolve tecnologias para melhorar o desempenho das sementes, comercializa insumos, equipamentos e substratos agrícolas), a quem agradecemos a importante colaboração. O segundo, que trata da colheita mecanizada, já tem resultado positivo.

A colheita manual da pimenta longa, técnica atualmente utilizada nos plantios em pequena escala predominantes na região, envolve uma grande quantidade de mão-de-obra, que, além de onerar os custos de produção, pode provocar atraso na colheita, por indisponibilidade de pessoal para o trabalho. Na publicação ?Coeficientes Técnicos e Avaliação Econômica do Sistema de Produção da Pimenta Longa no Acre? (baixe AQUI arquivo PDF*)de autoria de Sá et al. (2002), constam 18 homens/dia para a atividade de colheita manual de um hectare da referida lavoura. Considerando o valor atual da diária de campo (R$ 15,00), o custo total dessa operação seria de R$ 270,00.

O custo elevado da colheita, a morosidade do processo manual, o aproveitamento do período em que as plantas da pimenta longa apresentam teor de óleo mais elevado, no qual quanto mais rápido se efetuar o corte das plantas maior período de chuvas elas terão para rebrotar, levaram-nos a pesquisar um meio de agilizar e reduzir os custos dessa operação.

Utilizando uma colhedora de forragem JF90 Z10 que tem um disco de corte com dez facas resistentes, acoplada a um trator, foi possível colher plantas de pimenta longa com até dez hastes e mais de 2 m de altura, triturando-as em pedaços de aproximadamente 5 cm, deixando apenas duas facas em sentido oposto no disco. O processo de destilação das plantas trituradas nas referidas condições ocorreu normalmente, haja vista que a parte lenhosa triturada facilitou o fluxo de ar quente entre a biomassa, arrastando o óleo. A colhedora, que pode ser utilizada em grandes lavouras ou por associações e grupos de produtores, colhe um hectare de pimenta longa em 2 horas, aproximadamente, em plantio com espaçamento de 1 m entrelinhas de plantas também espaçadas de 1 m, podendo ser utilizada também na colheita de forragem para silagem, no período em que a lavoura de pimenta longa estiver sem atividade.

Aproveitamos essa oportunidade para agradecer à JF Máquinas Agrícolas (Itapira/SP) por oferecer a colhedora a preço de custos e ao estudante de biologia da Unicaldas, Agnaldo Beserra, da cidade de Caldas Novas, Goiás, que, por se interessar pelas pesquisas com a pimenta longa, adquiriu a colhedora e a colocou à disposição da Embrapa Acre para o desenvolvimento do trabalho relatado neste artigo.

(*) Para ler arquivos PDF é necessária o software gratuito Adobe Acrobat Reader. Clique AQUI para fazer o download.